sexta-feira, 24 de junho de 2005

Independência ou morte

Meu irmão foi morar em Brasília... minha mãe foi pra lá quarta-feira visitá-lo. Deixou pra mim: apartamento livre, carro e chave (do carro).
E agora vocês todos devem estar pensando: nossa, Bia deve encher a casa de gente todas as noites e passar mal de tanto beber... Que nada! Meu juízo é muito, pra sorte da minha mãe. Acabei vindo pra casa de vovó, comer canjica e olhar as fogueiras da noite de São João. Isso me lembra muito minha infância, ehehe.
Só me expliquem porque eu mudei tanto... Em outros tempos, eu estaria, de fato, com a casa cheia de gente, entornando quantos copos eu pudesse imaginar. A noite inteira.


Disse que estou de férias? E que essas são as férias mais desejadas e bem-aproveitadas de todos os tempos?
Eu não durmo mais, hiberno.
E não vou estudar... vou descansar bem! Nunca havia tido um semestre tão estressante.

Ontem fui a um show do Ludov.
MUITO foda a banda; as músicas e a voz da vocalista. O sistema de som que não ajudou muito...
Sempre que vou a um show, lembro que tenho de voltar pras minhas aulas de violão urgente! Só me falta tempo...

Louca pra ir dormir.
Mas eu não queria acordar amanhã às 7h e não ter nada pra fazer.
Horrível você não conseguir dormir mais que o suficiente e irritar seus pais por causa disso.

Desculpa minha ausência que sempre está por aqui deixando lembrança à vocês.
Vou tentar nunca mais fazer isso (é defeito meu prometer tanto) :*:

segunda-feira, 20 de junho de 2005

Ausência

Mas só porque eu precisei de você ontem, não estavas mais aqui.
Sabe o jantar e as contas? Pois é, ela esqueceu. Das caronas ela não gostou muito que eu pedisse. Sabe como é, ela também nunca sai. Não havia uma carteira ao meu alcance nem o dvd daquele filme que eu queria ver na sala de estar. Ela também disputa o computador comigo, mas eu não gosto muito de dividi-lo com ela. Você sabe como é o discurso né? Bem pior. Pega minha maquiagem sempre que vai sair, mas eu não sou egoísta nessa hora, apesar de ser na maioria das vezes, como você mesmo me dizia quatro vezes por dia. É que nessas horas eu sinto falta de brigar pelo shampoo e pelo sabonete de espinha, do qual éramos escravos.
Receio em pedir coisas à ela, sempre penso que o dinheiro pouco no fim do mês é culpa minha, não dela. Por isso não existem mais mimos. Agora são vários ônibus por dia e nenhum macarrão com camarão. No máximo um miojo ou vitamina sem açúcar, porque ela cisma que eu sou gorda, talvez.
Eu prefiro teus amigos aos dela, que são velhos, tolos e fumam perto de mim. Os teus não. São engraçados, simpáticos ou bastante nerds, e sempre me param na rua e me perguntam se eu saí com a sua autorização.
Eu prefiro também tua louça suja fazendo montanha em cima da pia às reclamações “Põe água no copo e tira a mesa, Beatriz!”. Odeio.
Fiquei com o teu quarto. Não, eu não troquei de quarto. Apenas me mudei para o seu, mas continuo com todos os pertences no meu quarto antigo. É que teu colchão é mais macio e tens vários livros bons na estante.
Continuo estudando na sala de jantar, mas morro de medo de ficar lá sozinha de madrugada, sabendo que você não está no meu quarto ao computador.
A Coca Light ficou semanas intocada na geladeira perguntando por você. E não sei que fim ela teve.
O que eu devo dizer é que Hanna não gostou muito dessas mudanças todas... Muito menos eu.
Saudades.




Bia, 19/07/05

sexta-feira, 17 de junho de 2005

Viva

Bia mandou dizer que tava viva e que não conseguia fazer o login pra postar no blog. Mas ela tá bem, só tá estudando muito (pra variar, demais).