quarta-feira, 27 de julho de 2005

Engano seu

As pessoas têm mania de dizer (e eu tenho mania de repetir essa frase) que eu sou a mais estressada de todas as criaturas.
Discordo completamente.
Exatamente no ano de 2005, a cada dia mais, um mundo cai sobre minha cabeça e eu nada faço. Isso, permaneço em berço esplêndido, como diria meu professor de Geografia.

Me estresso, mas nunca desconto em ninguém.
Por que será?
As coisas seriam bem mais simples se eu saísse por aí esbravejando para quem mexesse comigo, não?
Não.
Mesmo na iminência de um ataque suicida (ok, eu gosto de exagerar de vez em quando), mantenho a calma a olhos nus.
Mas se tu observar por mais um tempo e parar de achar que meu silêncio é sempre mau-humor e nunca pode ser algo diferente, vai encontrar a menina mais insegura que tu já conheceu.
E com o mundo desabando sua cabeça, veja só.

segunda-feira, 18 de julho de 2005

Odeio. E amo.

Odeio quando meus amigos se põem a falar de você para mim.
Odeio me lembrar do nosso último (ou do primeiro ou de algum outro qualquer) beijo, que rolou em frente à casa daquela minha amiga, lembra?
Odeio mais é sentir saudades disso.
Odeio me lembrar que poderia ter dado certo.
Odeio sentir que o que eu mais queria era que tivesse dado tudo certo.
Odeio não ter tomado conta de você como queria.
Odeio ter me sentido insegura o tempo todo, e ter morrido de medo dos ataques de ciúme de terceiros.
Odeio ter derramado algumas lágrimas por você. Algumas mesmo, já que tu sabes bem que sou fria.
Odeio ter agido errado e ter contado à todo mundo sobre nós, não sei bem por que fiz isso.
Odeio a sua falta de paciência que houve no final das coisas, quando estava tudo perto de se acertar.
Odeio apontar quase sempre os teus erros ao invés dos meus, que foram muitos.
Odeio ouvir nossa música e perder meu dia porque lembrei dos tempos bons que passei ao teu lado(que saco é isso!).
Odeio ver meu nome, só porque ele tem a sua inicial pertinho da minha (lembra que adóravamos brincar com isso?).
Odeio nossas atuais conversas, que não têm mais saudades, nem declarações, muito menos o carinho que tinha.
Odeio ouvir você dizer aos nossos amigos porque deu tudo tão errado. A culpa é toda minha mesmo?
Odeio pensar que talvez esteja voltando (e eu deixei?) a gostar de você. Mas eu juro que vou te esquecer... um dia.