terça-feira, 27 de dezembro de 2005

E viva a escova progressiva.

Meses e meses na dúvida de botar ou não botar aquele monte de produtos no meu cabelo. Depois de tentativas frustradas de uma melhora nele, me convenci de que eu e meu cabelo nunca seremos amigos.
Então fui lá e fiz né.

E (ainda) não me arrependi.
E espero não me arrepender.

Mas eu adoro cabelo cacheado, velho :( Pena que o meu era feio.
O Júlio que o diga. Ehehe.

Eu queria mesmo era encontrar 170 reais na calçada.
Daí minha prancha e meu Reveillón estariam mais que resolvidos (este último pedindo uma carona, ainda.).

sexta-feira, 23 de dezembro de 2005

Eu consigo TUDO que eu quero.

Mas essa frase não surte mais efeito.

O Natal.

Eu odeio o Natal.
A decoração da cidade, as árvores de plástico que imitam os pinheiros, os falsos desejos das pessoas dizendo "Feliz Natal" - são todos ditos puramente por educação, as liquidações, o fato da pessoa ter de se arrumar pra ir ali na casa dos avós ("Mãe, posso ir de short e sandália Kenner?" "Não" o.O), e de passar a noite inteira fazendo a social e sorrindo pros parentes distantes que só aparecem no 24 de dezembro pra comer e receber presentes, odeio o Papai Noel e as músicas natalinas com suas melodias ridículas.

Odeio essa festa capitalista criada em torno do nascimento de Jesus.
Acho ridículo.

Um Natal comum pra vocês.
Que nada se renove, que nada de diferente aconteça pra mudar a sua vida, mas que você lembre o verdadeiro sentido dessa festa nesse e nos próximos anos.

blergh.

terça-feira, 20 de dezembro de 2005

Síndrome?

Eu acho que tenho uma síndrome. Do mau-humor. Ainda estou atrás de saber se ela realmente existe ou se é uma doença rara e desconhecida, a qual somente eu possuo nesse mundo.
Que tipo de pessoa tem mau-humor diário e constante DESDE pequena? Totalmente incontrolável.
Lembro que até os 9 anos eu batia nas pessoas que enchiam meu saco quando eu tava de mau-humor. Depois dos 10 me tornei reclusa, apenas.
Hoje em dia gritar palavrões ficou mais fácil. O problema é que cansa.
Só não entendo porque ele me visita todos os dias, e não vai embora de jeito nenhum. E porque quando vai, ele volta tão facilmente e sem avisar. ISSO me deixa mais mau-humorada ainda, vejam só que coisa redundante (é, não é?).

Mas eu não vou dizer aqui: "nesse próximo ano eu vou melhorar isso!" porque mais ridículo do que dizer uma coisa dessas é avisar que eu vou sorrir para as pessoas na rua e soltar o cabelo pra ir ao colégio. Impossibilidades.

Eu queria só entender.

E amanhã vou a praia de novo.

Amo açaí, e o mar.
:)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

E foi. Já foi.

Turbulento, tumultuado, lotado de obrigações e de dias que acabei esquecendo.
Assim foi, pra mim, 2005. Um ano que definitivamente não foi bom. Pra mim.

Abandonei o blog... mas não porque "não tive tempo". Também. Mas apesar de eu ter me mantido ocupada o tempo quase todo, coisas não-interessantes rechearam esse ano que se passou, e nada de bom eu tinha pra vir aqui contar. Já que as coisas ruins eu evito ao máximo.

Pois bem.
Mas eu tenho uma novidade pra vocês (uhu!).
Dia 02 (isso, sexta-feira de Carnatal) fui pra Brasília fazer uma prova. Vesstibular seriado.
Caralho, foi foda.
Eu pensei que ia morrer de nervosismo... O motivo da minha ausência em todos os campos da minha vida esse ano tinham essa prova como explicação.
Eram todas as matérias... numa única tarde, sem direito a acréscimos nem correção posterior.
Eram 150 questões, acertei 101.
Não sei se esse resultado é bom, mas espero que sim.
O cálculo de pontuação pra tirar a média é BEM complicado, mas eu só vou precisar fazê-lo depois que concluir todas as três etapas (é uma etapa pra cada ano no Ensino Médio: 1º, 2º e 3º).
No final de semana seguinte já estava em Jampa, fazendo OUTRO vestibular seriado, para o qual não estudei. Eu não queria fazer aquela prova, eu não queria estar lá, eu não queria nem ter ido.
Mas pelo menos pude comprar minha havaianas preta.

:)

E é só.
Torçam por um ano melhor em 2006, pra que eu tenha o que contar pra vocês.