segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

E então, começou...

É hoje. O primeiro dia de aula no pré é hoje.

Pensei muito em ou fazer um post "avisando" que dentro de pouquíssimas horas começa minha vida de pré-vestibulanda, ou fazer um quando chegar do colégio, pra contar como foi o primeiro dia e etcétera. Ainda tenho um pé no pré-adolescentismo (inventei esse termo agora).

Parece que ainda não caiu a ficha. Eu, na minha imaturidade dos 16 anos, batendo na porta da faculdade. Ahn?! Mas não vou voltar ao assunto de que acho isso tudo um absurdo. Também não caiu a ficha que dentro de poucos meses estarei fazendo VESTIBULAR. Não mesmo.

O tempo passa muito rápido... e às vezes as coisas acontecem à nós nos dando a impressão de que estão ocorrendo "antes do tempo certo". Mas quem sou eu pra dizer o tempo certo das coisas né, bicho? :T

Fichário de três furos é sinônimo de sofrimento. Folha universal é caríssima! Preciso mandar e-mail pra minha família lá dos istêites com uma certa urgência. Eles vão me mandar folhas de 3 furos ou eu paro de estudar (puf!).

AH,

e eu preciso contar que tive o melhor mês de janeiro da minha vida. Mesmo ficando em Natal durante a semana (que mesmo assim foi ótimo), tendo uma virose que quase me matou de tanta diarréia, ressacas morais que me faziam esquecer de tudo, foi inesquecível (perdoem o clichê e a bregueza).

Na linguagem de adolescente fútil: BOMBOU.

[ eu sou adolescente fútil às vezes sim. Quem não? :] ]

quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

Falar menos. Fazer mais.

Eu sempre me perguntei por que me dou tão mal com a minha mãe na maioria do tempo. Na verdade a gente não se dá "tão mal"... falando da forma como falei parece que temos uma relação ódio-e-ódio. O que acontece é que a gente simplesmente... não se dá! Ela me irrita e eu não demonstro. Eu a irrito e ela espalha pros quatro cantos do mundo o que eu fiz de errado ("você não me ajuda", "você não colocou água no copo", "você não encheu as garrafas", "você não ligou pro salão pra saber quanto deu a conta esse mês"... - olha aí minhas atitudes como são rebeldes e capazes de justificar o estresse doentil da mulher).

Não quero detonar minha mãe aqui não, mas é que sou o tipo de pessoa que se empolga facilmente durante as críticas. Chato isso, han.

Mas eu finalmente descobri (16 anos nessa busca incessante - adoro esse termo, 'busca incessante') o que ela faz que mais me irrita (dente outros defeitos top 5, claro).

Tal qual TODAS as mães do mundo, ela fala demais. Mas MUITO mesmo. Mas o pior não é isso. Dona Tânia fala fala fala... fala fala fala, fala um pouco mais e... não faz nada. Sem ação. Inerte. Semi-viva. Vegetativa. Quase isso. Não confundir achando que ela não faz nada da sua vida que não seja pressionar o indicador no controle remoto. A velha trabalha pra caralho, isso eu devo dizer aqui. Mas não é desse tipo de ação que eu falo. Vamos lá, Bia. Se concentra pra listar as críticas. [ melhor parte ]

Daquelas que diz: preciso emagrecer. Senta e come metade de um queijo-manteiga (acompanhado de pão francês e um doce qualquer). Ou repete a refeição. Ou escolhe a sobremesa mais prejudicial à saúde.

"Tenho que comprar um tênis pra ir caminhar..." Só que passa o dia trabalhando, chega em casa e liga a tevê. "Tô cansada demais!".

Me irrita muito quando ela lembra, no meio de uma conversa social, entre suas amigas, que eu/ela tem que fazer alguma coisa específica e diz algo do tipo: sim, Beatriz, temos que marcar seu endocrinologista! Ou então: Beatriz, pegou o telefone do táxi?! Quando na verdade eu estou à mesa comendo uma tapioca e pensando só em que biquini vou usar caso vá à praia no dia seguinte. Providências que não tem nada a ver com o momento, sabe? Mas ela "me lembra de fazer" assim do nada. Não sei por quê. Acho que pra dar uma de eficiente.

Mas se fosse só isso seria ótimo! O pior mesmo é quando ela reclama que EU não sei fazer alguma coisa que ELA também não sabe! Segue um sermão de que eu devo aprender aquilo mas ela NEM FALA em aprender. Aliás, não deve nem passar pela cabeça dela em aprender a tal coisa.

Pois é, bróder. Eu sou meio como meu pai no quesito tecnologia. Analfabeta em computadores, entende? Menin, por favor, nem lembre isso à ela! É uma ladainha e uns xingamentos sem fim. Juro que, teve um dia (provavelmente de TPM) em que minha auto-estima estava mais negativa do que já é, que as coisas que ela falou por eu não saber mexer em computador me deixaram deprimida. Vão de "burra" e "ignorante" pra baixo. E o engraçado é que ela sabe menos do que eu. E usa as suas cinco décadas de vida pra justificar não saber de nada disso. Eu não gosto e não quero aprender. E pronto.

Eu não sei ajustar o relógio do carro, e tenho preguiça de aprender a programar o som do veículo(é só ir mexendo mexendo e programa, né? Eu SEI como é mas na hora assim.. não sei. Teoria sim, prática não), e isso pra ela é o fim da picada. Mas aí, adivinha: ela também não sabe! "Beatriz você deve aprender!!!". E ela fala como se meu futuro profissional e pessoal dependesse 200% de saber ajustar relógio e programar as estações de rádio. Só que Dona Tânia não está nem aí se NÃO SABE nem LIGAR o som não é mesmo?

Vem cá, ainda tenho a obrigação de sorrir e ser doce com a minha procriadora? Santa paciência né.

~~ eu não me aguento mais escrevendo. Só sai porcaria. Se continuar desse jeito eu surto.

~~ aulas perto de começarem! (é "começarem" ou "começar" que eu uso aqui?)

segunda-feira, 22 de janeiro de 2007

Um lixo.

Foi como ele fez eu me sentir.

Assim, sem mais nem menos, sem o menor respeito ou consideração. Não vê que machucou?

Ser humano, sim. Ele nem percebeu...

Tão inesperado que foi. E também passageiro, ao mesmo tempo que intenso.

Confundiu-me tudo, mas foi bom. Não fosse o passado batendo na porta e uma garota que ainda tinha carência dos beijos dele.

Eu não tenho sorte mesmo. É isso.

Desilusões amorosas fazem parte né? (...) Só espero que não dure para sempre.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2007

Eu queria brincar de Efeito Borboleta...

Pra poder fazer minhas escolhas com um pouco mais de certeza.

Mas certeza na vida a gente não tem nenhuma né? Só a de que ao pó retornaremos algum dia.

Por favor, tô querendo descobrir quem mais acha um absurdo entrar na faculdade aos 17 anos. Se você também acha, levanta a mão e grita daí pra mim!

Decidir teu futuro e a ocupação que tu vai ter por, no mínimo, 30 anos, não é nada fácil. E fica mais difícil ainda quando você só tem 16 anos vividos na maior simploriedade.

Eu desejo idéias, clarões, e um pouco de vontade.

Sinto falta do meu analista de novo!

- - -

A ausência de posts é culpa da minha burrice e esquecimento. Eu não tava conseguindo logar aqui, sabe?

Também não consigo logar no fotolog.com porque meu computador tá "bloqueado" para a página. Estranho, mesmo.

Natal em paz e igual a todos os anos.

Reveillon bacana ( e quase igual a todo os anos ).

Veraneio começou bem mas minha mãe me trancou em casa. Quer dizer, ela só não tá querendo que eu vá pra Cotovelo durante a semana. A certeza agora fica Muriú nos efe dê ésses.

E é só.

Pré-vestibular chegando.

Empolgada, Bia?
Não mesmo.

Vê aí como eu comecei o post né, bicho...