terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Monólogo

- Depende do que voce considera ser chato. O que é ser chato?

Se você estiver se referindo àquelas pessoas que manifestam seus defeitos com mais freqüência, sua definição é errônea. Porque todos temos defeitos. Ninguém mais, ninguém menos. Os defeitos, em alguns aparecem mais quantitativamente; em outros, (des)qualitativamente. Somos todos chatos então.

Alguns dos homens têm seus defeitos mais aparentes; outros, mais escondidos. Mas todos os tem por igual. Então continua sendo errado se você considera que o primeiro grupo é o dos "chatos". Não enxergas a (TUA) mediocridade? Infeliz mania que muitos têm de ver tudo superficialmente! E o pior: de julgar pela aparência. Pelas primeiras aparências, pela antiga aparência. Você não acha isso chato não?

__________________________

É realmente bem bacana descobrir que na Aula da Saudade o troféu de pessoa mais chata de todo o pré vai pra você. (Se fosse do colégio inteiro provavelmente também iria pra você). Basta só esperar por esse dia.

Melhor ainda é sempre que você estiver com um mega problema ou simplesmente triste pra caralho, sempre acharem que você está com raiva ou acordou de mau-humor.

E não adianta, ninguém, eu disse ninguém, NUNCA vai perceber que você mudou. Ninguém... nunca... é a certeza do negócio.

domingo, 25 de fevereiro de 2007

Eu sinto uma vontade tão grande de viver!...

Não sei por que nem por quem. Não sei nem de onde vem (isso não é (pra ser) um poema).

Mesmo com uma dosesinha de chatice e mau-humor, um abuso das pessoas e um teor de comportamento anti-social; mesmo com o tempo corrido e a impressão de que 'porra-não-tô-estudando-nada'; mesmo com as questões de números complexos complexas (!); mesmo com os chiliques da mãe e as injustiças do mundo, eu sinto uma vontade muito grande de viver. Mesmo que de uma hora pra outra bata uma certa melancolia. Mesmo que eu me frustre a cada restaurante não encontrado e a cada coisa bacana que eu encontre na rua sem ter dinheiro no bolso. Mesmo que eu não tenha nunca dinheiro no bolso. Mesmo que meu cabelo faça birra e diga "eu não vou ficar bonito só porque você quer!". Ainda assim eu sinto uma vontade muito grande de viver. A cada dia mais. A cada dia A mais.

Não sei de onde nem por quê.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Já tá bom de postar, né?

É que ando sem grandes novidades assim. Sem inspiração. Sem saco. E com muita, muita preguiça.

Mas tenho que dizer que uns dois dias depois de fazer o post anterior, eu tive um sonho tristíssimo.

Antes de ir dormir, na verdade, eu tava aqui na internet pesquisando coisinhas sobre o aquecimento global e coisas do gênero (lógico que, em virtude de ser um sábado a noite, terminei desistindo da pesquisa e passei a me dedicar a apagar meus scraps). Malu veio aqui no msn e perguntou sobre o que eu estava pesquisando, e começou a puxar assunto... e eu lembro que falei pra Malu que esses problemas me tiram do sério, porque são conseqüência de falta de consciência e de "cuidado" do homem. Então eu falei algo do tipo: dá vontade de morrer, né? Eu penso demais nisso. Às vezes é difícil até dormir ou pensar noutra coisa. Fico noiada 24horas por dia, em algumas 'épocas'.

Beleza. Na mesma noite tenho um "pesadelo". Estou eu e minha mãe discutindo algo a ver com tetos solares... Bicho, era alguma coisa a ver com o Sol. Provavelmente, energia solar né ¬¬ (observação e dúvida idiotas). Estávamos em frente a uma casa, e minha mãe dizia algo do tipo: não, Beatriz, isso não se pode fazer aqui... só nas regiões mais temperadas e fodidas (lógico que ela não disse isso) pelo aquecimento global. E eu me indignava. "Mas mãe, vamos colocar aqui, tem que poder, não é possível!!".

E foi o tipo de sonho com a visão que eu detesto: eu tinha a visão de cima de eu e minha mãe conversando mais em baixo... no chão. Entende?

Eu hein.

Não me deixem nunca trabalhar com Meio-Ambiente nem nada do tipo. Sou capaz de não dormir noite alguma.

Ah, mas e aí.

Pré-vestibular.

Bia Madruga ainda não pegou o ritmo e começa a se preocupar com isso.

Outra coisa que a preocupa é que ela não consegue se ver na universidade ano que vem, mas não porque acha que "é incapaz de passar". Ela simplesmente é incapaz de ter essa visão do futuro.
Agora, neste exato momento, a cabeça dela chora de ódio com a zuada do Baile de Máscaras da Confeitaria Atheneu aqui ao lado. Não há concentração nem para post, quanto mais para estudar História.

Aposto que esse post ficou bem tronxo.

Culpa do Baile, ora (queria estar lá tomando cana com limão e sal).

Carnaval em Macau. A partir de amanhã!

domingo, 4 de fevereiro de 2007

Vamos plantar uma árvore?

Essa semana uma cena épica aconteceu aqui em casa: família reunida em frente à televisão. Eu, mainha e papai assistindo BandNews (!?!) acho que na.. terça-feira. O tal documento sobre o aquecimento global ainda não tinha saído, e a apresentadora deu uma super notícia, um grande segredo, coisa que ninguém sabia:

"E dentro de tanto tempo sairá um documento sobre o aquecimento global etc etc etc.. Neste documento diz que o culpado pelo aquecimento do planeta é o homem!".
NOSSA. Novidadezona, hein? Pasmos, todos nós.

¬¬
Mas, ironias à parte, o desespero tomou conta de mim mais que nunca.

Acho que a primeira vez que ouvi essa notícia eu tinha meus 14 anos (eu sei que só tenho 16, mas falando assim parece que faz um tempão e aí fica bacana) e estudava funções do 1º grau. Foi algo que SEMPRE me preocupou. Que eu SEMPRE quis saber o que diabos fazer pra ajudar em alguma coisa e que nunca tive resposta alguma.

Por que esse documento demorou tanto pra sair?

Há TANTO tempo que os cientistas gritam que o mundo tá se acabando, ops, que o mundo tá ficando cada dia mais quente... e as indústrias descendo o cacete no gás carbônico.

Aí, enquanto a galera "perde tempo" escrevendo documento, eu acho que alguém tem que tirar o dinheiro do bolso e investir nas famosas energias alternativas não é não?

Já passou em Globo Repórter, Jornal de num sei da onde, Documentário de num sei quando, tantas e tantas invenções de próprios brasileiros, tudo relacionado a isso... e não vejo ninguém fazendo NADA bicho. Um cara que inventa uma máquina de lava-roupas gastanto bem pouquinho de água; outro que faz um teto num sei como; o japonês que inventa o carro movido à isso e àquilo... e, porra, cadê que essas coisas chegam nas nossas mãos? Tudo bem que custa os dois olhos da cara, que não é tão simples e tal, mas será que o investimento NUNCA vai vir? Só depois que a galera começar literalmente a morrer e a não puder sair de casa entre as 10h e as 16h do dia, aí algum presidente filantrópico vai decidir fazer alguma coisa?

Sinceramente, eu me desespero. Eu começo mais do que nunca a odiar andar de carro porque não consigo pensar noutra coisa que não seja o gás carbônico perfumando o ar da cidade e matando os ursos polares.

É sério. Eu vou ficar doida.

Meu espírito ecologicamente correto já me faz cortar relações com pessoas que jogam lixo na rua (parei de falar com meu primo porque ele fez isso!), e com as tartarugas marinhas sendo prejudicadas pela areia quente e os ursos polares fazendo jejum simplesmente porque as focas correram do calor, AÍ SIM eu vou enlouquecer.

Surtando, surtando.

~~ o título foi porque eu perguntei a Poana o que eu faço pra evitar que morram mais ursinhos polares e aí ela fez: sei não... vamos plantar uma árvore?

Talvez seja um bom começo né?

Meu sonho é fazer algo realmente eficiente por isso. Trocar o carro pelo ônibus nau reduz quase em nada. Até porque NINGUÉM vai querer fazer isso e porque o danado do ônibus é movido à diesel.

Que o Fantástico e os demais alienadores, digo, programas de televisão, PAREM de SÓ passar reportagens e façam alguma coisa. PeloamordeDeus!

:~

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Agonia, agonia, agonia.

Descobri(?!) que não gosto de Biologia e que devia ter me matriculado no isolado de Biologia ao invés de no de Matemática;

Meu violão está encostado há coisa de um ano e meio e eu não tenho vergonha na cara nem pra levar o troço pra afinar (muito menos voltar a aprender);

Comecei a aprender a surfar e não continuei. Tava pra comprar uma prancha mas terminei sem comprar. Tenho capa, strep, tudo... a prancha e a companhia/vontade de ir é que não.

Essa história de começar as coisas e não terminar me desespera, sabe? Eu fico agoniada MESMO. É tanto que não tenho concentração pra nada. Fico só pensando nisso o tempo todo.

Nem manda eu relaxar que não dá.

E, pois é, não gosto da Biologia.

(AAAAAAI POR QUE EU NAU FUI FAZER MATRÍCULA NO ISOLADO DE BIOLOGIAAAA?
TARDE DEMAIS.)