domingo, 29 de abril de 2007

Então o post de hoje vai ser sobre aniversário.

A ironia da vida nem me surpeende mais. Entrei no msn pra falar com o Júlio pra que ele falasse alguma coisa mundana e eu tivesse uma idéia sobre o que escrever aqui. (Nossas conversas às vezes rendem mais que qualquer outra coisa)

Aí eu cometo o maior deslize da minha vida e esqueço que é aniversário dele. Não queria dizer que ele teve que me lembrar que hoje fazia anos; mas, bem, seria bom dizer pra que eu pudesse me arrepender sempre que lesse esse post.
Mas não, Júlio, eu não vou falar sobre você. Vou falar sobre esse dia único do ano que as pessoas têm o costume de comemorar.

Sempre fui revoltada com aniversários. Tá, eu sei que fiz festinha de 15 anos até, mas mesmo nessa época eu já não gostava muito da data. Não sei ao certo porque; mas eu lembro que exatamente depois desse ano eu passei a odiar ainda mais.
Depois desse dia concluí que o volume de pessoas interesseiras no mundo é muito maior do que eu imaginava; e que a quantidade de pessoas pobres a fim de comida e bebida de graça é mais imensurável ainda.

Foi com isso que eu comecei a pensar no motivo de se comemorar aniversário. Atingi a conclusão de que não há nada mais ridículo.
As pessoas são medíocres ao ponto de "esperar" um dia no ano para aplaudir a própria vida ou a do outro; para agradecer e pedir saúde para alguém; para abraçar o amigo e desejar que este seja feliz; para presentear (seja com bens materiais ou não); para dizer palavras de bom agrado ou para dar atenção demasiada a alguma pessoa.
Mesmo com tanto vídeos estilo "filtro solar" por aí, as pessoas não conseguem pôr ações desse tipo em prática no seu cotidiano. Continuam na mediocridade das festas, das bebidas, esperando um motivo para comemorações.

Desculpa, mas, hoje não é só aniversário do Júlio. É o meu, o seu, o de todo mundo. Da mesma forma que Júlio não faz aniversário só hoje. Fez todos os dias que se passaram na vida dele; todos os minutos; todos os instantes. Somos eternos aniversariantes. Temos motivo de sobra pra comemorar e não conseguimos fazer isso com a devida freqüência.

Portanto lembre-se que todo dia é seu aniversário, e também o de todas as pessoas que estão ao seu redor. Comemore junto com elas, então! Por mais clichê que isso pareça, comemore a vida. Não espere aquele diazinho que restou no ano, que foi o qual você nasceu. E feliz aniversário - pra todos nós.

(Tá, tá, especial pra você Júlio. E sem mais felicitações. Não vou me contradizer com o que disse. Eu desejo coisas boas à você todos os dias, mesmo que em silêncio. Assim deveria fazer os demais. Mesmo que de forma disfarçada, comemore a vida do próximo, se tiver vergonha de dizer todos os dias palavras que o mundo banalizou (a frase "eu te amo" está aqui)).

domingo, 22 de abril de 2007

Assistencialismo operando? Sim senhor!

Chega mesmo a ser cômico. Um rapaz que estudou a vida inteira em escola pública, no Recife, consegue ser aprovado na Universidade Federal do Estado. E isso merece reportagem no Fantástico, um dos telejornais interativos mais bem vistos do país. O destaque não ficou por conta disso. A demagogia televisiva achou normal (na verdade necessário) dar ênfase à miséria na qual vivia a família do estudante. Dizer que a mãe era vendedora ambulante, e repetir durante toda a reportagem que ele NUNCA tinha pisado numa escola particular MAS que tinha passado numa universidade pública! (Não deixem de reparar na conjunção adversativa, por favor).

Peno por saber que o brasileiro realmente acha isso normal, até mesmo bonito. Uma situação dessas é classificada como algo improvável, no Nordeste especialmente. O fato de um estudante de escola pública passar num vestibular onde a concorrência pro seu curso era em torno de 15 candidatos para uma vaga, foi o cerne da definição de felicidade da matéria do Fantástico. Ai, poupo os palavrões aqui. Mas essa ainda não é a parte que me deixa mais p... irritada. O menino foi APLAUDIDO quando entrou na sala. E foi recebido pelo Reitor... que o abraçou e deu umas palmadinhas na costa, em tom de satisfação (ou não). O estudante considerou o acontecimento uma honra. Localizam o paradoxo? Em teoria, ele tão inteligente, mas na prática, parece não perceber a que ponto o seu país chegou.

"Um estudante de escola pública passou na Federal?" "Nooooossa". "Pobre? Humilde? Negro? A mãe era vendedora ambulante?" "Putz! Isso merece 20 minutos de reportagem no horário nobre! Capa de jornal! Ah, agora sim ele é FELIZ. Ele é o máximo. O 'cara'."

A rede pública desmorona. E não é novidade pra ninguém que o 9 dedos pouco faz. Pôr os melhores professores, dar incentivo ao ato de estudar, fixar na cabeça dos moleques que estudo e trabalho são na verdade a única solução, e não a melhor? Nada! Ele prefere criar umas cotas aí, outras acolá, dar o gás no assistencialismo, e depois mandar as instituições responsáveis pelo vestibular facilitarem as coisas, tudo pra que as pessoas que não têm ensino de qualidade (isso é sinônimo de: que estudam na rede pública) possam entrar nas universidades federais.

Foi assim que a Comperve decidiu mudar todo o seu sistema de avaliação. Decidiu tirar a prova discursiva de Português e de Literatura pra definitivamente não medir o conhecimento de língua portuguesa e literária de ninguém; decidiu também colocar 12 questões discursivas para serem feitas em 4 horas e meia, como quem diz que vai aprovar "quem for mais rápido!", desceu absurdamente o nível da prova nos últimos anos, e anui com a cabeça quando o assunto é argumento de inclusão.

Então é justo ficar pra nós, da rede privada, considerados privilegiados (e somos!) e filhos de papai (nem sempre - tem muito pai que rala e se desdobra pra fazer com que o filho estude pagando mensalidade), a parte do "te vira"(?). Realmente, pro cara que mora no Palácio da Alvorada, pra regular a disparidade social, é melhor que se privilegie os mais pobres; mas não com ensino, e sim com favores.

domingo, 8 de abril de 2007

Ei! Sorria...

Mas não se esconda atrás desse sorriso...Mostre aquilo que você é, sem medo.Existem pessoas que sonham com o seu sorriso, assim como eu.

Viva! Tente! A vida não passa de uma tentativa.

Ei! Ame acima de tudo, ame a tudo e a todos. Não feche os olhos para a sujeira do mundo, não ignore a fome! Esqueça a bomba, mas antes, faça algo para combatê-la,mesmo que se sinta incapaz. Procure o que há de bom em tudo e em todos. Não faça dos defeitos uma distância, e sim, uma aproximação.

Aceite! A vida, as pessoas, faça delas a sua razão de viver.

Entenda! Entenda as pessoas que pensam diferente de você, não as reprove.

Ei! Olhe... Olhe a sua volta, quantos amigos...Você já tornou alguém feliz hoje? Ou fez alguém sofrer com o seu egoísmo?

Ei! Não corra. Para que tanta pressa? Corra apenas para dentro de você.

Sonhe! Mas não prejudique ninguém e não transforme seu sonho em fuga.

Acredite! Espere! Sempre haverá uma saída, sempre brilhará uma estrela.

Chore! Lute! Faça aquilo que gosta, sinta o que há dentro de você.

Ei! Ouça... Escute o que as outras pessoas têm a dizer, é importante.

Suba... faça dos obstáculos degraus para aquilo que você acha supremo, ms não esqueça daqueles que não conseguem subir a escada da vida. i! Descubra! Descubra aquilo que há de bom dentro de você. Procure acima de tudo ser gente, eu também vou tentar.

(Charles Chaplin)

Texto bobo que é bom de postar quando não se tem assunto.
Eu gosto dele.

(Minhas unhas dos polegares pararam de crescer! o.O :~~~~~~~)