quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Caim

"É um sinal de nascença, respondeu caim, Não deves ser boa gente, Quem tu disse, como o sabes, respondeu caim imprudentemente, Como diz o refrão antigo, o diabo que te assinalou, algum defeito te encontrou."

"Almocreves somos e pela estrada andamos."

"(...) é inevitável, fatal como a morte. E a vida."

"Como tudo, as palavras tem os seus quês, os seus comos e os seus porquês. Algumas, solenes, interpelam-nos com ar pomposo, dando-se importância, como se estivessem destinadas a grandes coisas e, vai-se ver, não eram mais que uma brisa leve que não conseguiria mover uma vela de moinho, outras, das comuns, das habituais, das de todos os dias, viriam a ter, afinal, conseqüências que ninguém se atreveria a prever, não tinham nascido para isso, e contudo abalaram o mundo."

"O tempo, esse grande igualador (...)"

"Vale mais tarde que nunca, respondeu o anjo com prosápia (...), Enganas-te, nunca não é o contrário de tarde, o contrário de tarde é demasiado tarde."

José Saramago.

Nenhum comentário: