quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Espere sentado, se não cansa.

À espera das boas notícias. À espera dos sorrisos espontâneos, dos abraços apertados, da cerveja na sexta-feira à noite com cara de descanso, de descaso, de desopilar e esquecer um pouco os problemas. À espera da correria que até faz bem. Faz bem porque rende, porque nos faz reclamar, porque nos faz querer correr mais e ao mesmo tempo parar; para ver alguém importante. À espera das ligações inesperadas (!), desse cinema no sábado à noite que vai ser regado a risadas - não importa o gênero. A piada sempre cabe, isso a gente já aprendeu. À espera do cotidiano de corações tranquilos, de mentes aquietadas, apenas com vontade de trabalhar, mas cientes de que estamos bem; de que estamos no nosso melhor. Espero por isso. À espera das nossas festinhas e festanças que duram até muito mais que o amanhecer, quando a gente acha que tem o poder de parar o tempo quando na verdade só ficamos fingindo que encompridamos a noite mesmo diante do raiar do dia. À espera do aconchego, da normalidade, do prazer de estar aqui. À espera das boas notícias. À espera dos milagres.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Feeling

Ontem, no início da noite, eu, minha avó e minha tia em uma loja... A vendedora, para minha avó e minha tia:
- As senhoras aceitam uma água, um refrigerante? 

Se vira para mim e:
- Você, aceita um energético? 

(...)

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Trânsito bom!

Eu gosto do trânsito em Natal. Eu acho massa aqui! A galera é sempre gentil, sabe? Nunca bota o carro na sua frente na hora do retorno. Nunca faz o retorno na contra mão também, e não reclama de quem faz, obviamente. Anda rápido na esquerda, o que é ótimo!, e os ônibus sempre respeitam o cidadão à esquerda deles. Nunca que ligam a sinaleira e enfiam o veículo deles na frente do seu. Imagine!

As pessoas sempre dão a sua vez para o outro passar. Não tem essa de competir para ver quem chega na frente. E não é porque não têm pressa. As pessoas até que correm aqui, mas é questão de gentileza mesmo. Sempre esperam você passar; não colam os seus carros no carro da frente para impedir os colegas de entrarem na fila. É um sentimento de irmandade que todo mundo compartilha...

A paciência é uma virtude nossa. A gentileza, a humildade, o respeito às vagas de deficientes, vixe!, nunca vi nada igual. Todos respeitam os pedestres - e estes também são ótimos!, só atravessam na faixa e sempre agradecem. Nunca vi um pedestre se jogar na frente do meu carro. Nem flanelinha. Nem ciclista. A galera aqui respeita o trânsito mesmo.

Ai, ai. Desse jeito, não tem quem não goste de dirigir. Dá até vontade de sair de casa para passear! Aproveitar a gasolina, com seus preços sempre baixos e justos, e deslizar pelas avenidas da cidade, tão bem calçadas e sempre bem cuidadas, feitas especialmente para esse trânsito, só nosso, maravilhoso assim.

Tchau. Estou de saída! :)