sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

"Para o ano"

Daquelas expressões que se criam sem sabermos como e que fazem sentido nenhum. 'Para o ano' quer dizer 'para o próximo ano'. Então vamos.

Que 2012 foi ano para se escrever histórias. Infinitas histórias, de um ano grande, às vezes infinito, às vezes mentiroso, de muitas caras e desdéns. Parece que pegou muita gente de surpresa. Parece que não deu trela pra muitos sonhos e notícias de fantasia, nem estórias. De novo, só histórias.

2012 me provou que Seu Newton contou meia verdade. Que ação reação nem sempre procede. Só no mundo físico, concreto, e olhe lá, dando-se direito a ressalvas. Na vida real metafísica ou nada física, cheia daquelas impalpáveis emoções e sentimentos, ação e reação não são diametralmente opostas, como se prega. Há de se acreditar que elas nem se conhecem.

Suas boas ações não precedem as boas reações. Não sempre. Não pode-se esperar do outro o que damos a ele. Não pode-se esperar importância no lugar de indiferença. Não pode-se esperar demais, é verdade.

O maior desafio que a coitada da minha terapeuta enfrenta comigo (talvez ela esteja perto de desistir) é me convencer da brutalidade das expectativas. Como elas ferem quando são criadas. Quando criamo-nas, deliberada e involuntariamente, ao mesmo tempo. E como elas ferem, de novo, quando têm que ir embora.

Foi preciso aprender que seus amores e seus cuidados são seus. Que podem ou não haver mais deles pra você - de volta. É mais fácil, veja só, que eles apareçam de súbito, sem a expectativa prévia (!), do que na contrapartida de nossas ações. A contrapartida de nossas ações podem ser cruéis, não sempre, às vezes sempre, às vezes por um ano quase inteiro, e tá proibido lamentar.

2012 me ensinou a não esperar demais, em tempo, em atitude e fato. 2012 me colocou no centro das minhas expectativas e do meu reconhecimento. Me disse que o outro às vezes pisa, machuca, sai cantando, e que também tá proibido lamentar em cima dele.

Só que ao mesmo tempo segredou: persista. Valorize sua integridade (clichê) e aja com os outros como você gostaria que eles agissem com você (clichê). Independente desses outros (Hum...). Vê o paradoxo: fazer "como se" pensando nos outros; esperar um "como se não", pensando nesses outros. E assim viva. E os respeite e não os abandone. Não pague com essa mesma moeda, doída, a sua dor 'inlamentável'. A física e a metafísica não vão colaborar todas as vezes, mas algumas sim. E você não vai precisar temer represálias. Só vai precisar não expectar recompensas.

E, se, não cabendo a expectativa, mas encontrando a ressalva da esperança, que se encaixa sempre quando pensamos nos bons presságios, eu me dou o direito de, esperançosamente, desejar algo para 2013. Para não criar expectativa, mas confiar na novidade, se eu tenho um desejo para 2013, é somente esse: empatia.

O resto a gente dá conta.

Feliz 2013.

Um comentário:

WWW.MERCADOZETS.COM.BR disse...

MELHOR SITE DE VENDAS http://www.mercadozets.com.br/

VENDE DE TUDO

BRINQUEDO

http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?texto=brinquedo&IDCategoria=110


http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?idCategoria=110

VENDE DE TUDO TEM BERÇO ELETRONICOS CELULARES TV NOTEBOOK COMPUTADOR ACESSORIOS PARA CARROS BRINQUEDOS ARTIGOS INFANTIS E MUITO MAIS