terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

E assim nós vamos

Ele detesta o fim da tarde. A mudança das cores e a alteração primeiro sutil depois intensa no céu inteiro. Algo que termina e que anuncia uma escuridão que se estenderá por horas. Isso muda o humor e faz pairar uma aura de poucas perspectivas. O fim, o escuro. E a demora em se iniciar um sol novo e um dia mais claro.

Eu adoro o fim da tarde. Em saber que a noite chega logo e, com o começo dela, os cheiros de café e pão. A ideia de começar ou recomeçar ou voltar a trabalhar e a escrever. Coisas que combinam com a noite, que se encaixam bem nela. E o fim de tarde vai me dando vontade desses momentos.

A gente toma café no fim da tarde e no início da noite. Algumas xícaras.

Eu detesto ir ao supermercado. Aliás eu detesto repetir coisas com certa frequência, pois acho que elas deveriam durar por mais tempo. Fazer as unhas, abastecer o carro, pagar as contas, ir à depilação, fazer o supermercado. São coisas que deveríamos fazer a cada muitos tempos, mas temos que fazer quase que o tempo todo. Ele precisa de ir quase que o tempo todo no supermercado.

E gosta de ir. E planejar os pratos. E imaginar os sabores. E pensar em como pode me agradar naquele almoço, para o qual eu não dou a mínima e comeria em qualquer canto da cidade para não ter de enfrentar as gôndolas do mercado.

Mas lá estamos. A gente vai muito ao supermercado.

Ele repete demais que eu sou linda. Eu repito o tempo inteiro que me acho feia. Ele diz que eu não sei das coisas. E eu respondo que ele só pode me achar linda porque é muito apaixonado por mim. "Não é porque sou apaixonado que tenho mal gosto", ele diz.

E assim estamos. E vamos.

Um comentário:

Maíra D disse...

own. (: