terça-feira, 18 de março de 2014

Eu ia reclamar de

Eu ia reclamar que vi a gasolina a 3,069 e que acho um descalabro um negócio desses. Mas desisti porque acusam isso de ser um mimimi safado de classe média, que acha que três reais por litro de gasolina é problema.

Eu ia reclamar que andar de ônibus nessa cidade virou motivo pra não querer sair de casa, mas desisti porque, veja, Bia: as manifestações passadas fizeram com que a passagem não aumentassem, e é necessário inclusive comemorar o preço atual das passagens, que, aparentemente conclui-se por aí, é justo.

Também ia reclamar do que um amigo disse: foi diminuída a frota de ônibus na cidade porque os empresários querem pressionar pelo aumento das passagens; os ônibus demoram a vir e quando chegam, estão lotados, fervendo as pessoas lá dentro a mais de cinquenta graus celsius. Eu não consigo saber se essa é uma notícia oficial, se é verdade, mas eu ia reclamar mesmo assim. Mas desisti porque, veja Bia: as manifestações passadas conseguiram fazer com que o preço da passagem não aumentasse (o que significa que "foi tudo por causa de vinte centavos?", vai saber), então não reclame, comemore.

Eu ia reclamar que meu carro quebrou ontem no meio da rua, apesar de ter saído da revisão poucas semanas antes, e que isso também é absurdo, visto os serviços estarem todos em dia e eu pagar caro por eles. Mas não reclamei porque esse é outro mimimi de classe média e porque "só passa por isso quem tem carro", inclusive algo que só tenho porque em Natal é semi-impossível andar de ônibus, pois eu preferiria não dirigir, mas também não reclamei disso (de não poder andar de ônibus, porque as passagens não subiram e etcétera), e aí também não reclamei do carro ter quebrado sem justificativas plausíveis. Não deixaram.

Eu ia reclamar que a cidade está impossível, intragável, intransitável e invivível. Mas disseram que tudo vai melhorar com a Copa (espero que meu joelho, também - porque "tudo" é "tudo", vocês que estão dizendo aí), as obras estão aí pra isso, depois da Copa teremos uma cidade cheia de avanços, empregos, e pessoas sorrindo.

Eu ia reclamar da minha dor no joelho, mas não reclamei porque disseram que, graças a Deus (minha mãe), eu tenho um plano de saúde que me dá vinte sessões de fisioterapia ao ano (?). E isso já facilita a minha vida, me faz feliz.

Eu ia reclamar que hoje de novo fez um calor do caralho mas desisti. Porque. Porque nem sei.

Não têm me deixado reclamar, e eu fiquei sem assunto. Assim mesmo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom. Bota no jornal.

Vanessa Augusta disse...

Hahahahaha, engraçado, apesar de tudo.