sábado, 1 de abril de 2017

percebi que os ciclos iam e vinham sem aviso prévio, às vezes com disparadores expressivos às vezes não. 
acho que dessa vez teve de novo, acho que das últimas vezes houve disparadores, sim, mas as novas tentativas de ciclo depressivo se instalando têm sido precedidas por picos elevados e difíceis de ansiedade, que agora têm somatizações estranhas, novas, que precisam de mais intervenção do que antes. 

minha gengiva passou a cair. a sangrar, inchar, inflamar. aparentemente, meu corpo adoece numa velocidade muito superior à cabeça e ao espírito todo; a somatização é abrupta e agora aparece assim, dando susto, não mais aos poucos. 
eu poderia achar isso péssimo, o que na prática é, mas não acho, porque desconfio mais que isso é meu corpo me protegendo dum estado pior; como os de antes, como os de outra vez. ele antecipa e ainda adoece mais que a cabeça; é uma compensação bastante legítima. 

e aí passei a esforçar minutos de meditação, e mantras com afirmações que me digam que tudo vai ficar bem, sim, que as coisas darão certo. que consigo mais essa. eu forço a barra até acreditar até a quase ficar bem até a respirar com mais calma e sorrir numa verdade. 
nas últimas vezes deu certo, mas sinto que dessa nova a bateria tá esgotando. 

e a gengiva sangrando, insônia presente, apetite frouxo também. corpo doente protegendo a cabeça e o espírito, que agora parecem fraquejar como antes. como outras vezes. como num passado que quero esquecer. 

Nenhum comentário: