terça-feira, 2 de maio de 2017

hoje antes de pegar o voo de volta pra natal, fui à livraria cultura atrás de livros de crítica literária, porque simplesmáint recentemente comprei alguns livros pela internet e eles estão demorando muito a chegar. há uma greve não generalizada nos correios, algo assim. (as contas estão vindo, mas as compras não.) (e, inclusive, dos quatro livros que comprei, chegaram dois, um deles veio com erro. as páginas 1-32 vieram replicadas, e vieram faltando as páginas 33-60. de um romance. que vou usar na tese. que bom, né, que bom.)
enfim

fui na cultura e em menos de trinta minutos consegui encontrar o que eu queria e precisava; o que eu não precisava mas queria; e consegui também não encontrar algumas coisas que eu precisava mas ok compro depois na estante virtual e espero seis meses.

os livros estão ocupando meu quarto cada vez mais, os de teoria literária principalmente, e eu sigo sem me dedicar de verdade a isso, a eles, ao doutorado, entendendo muito pouco desse campo abstrato que é a literatura, a pesquisa em literatura, a teoria literária,
e isso tem acelerado minha angústia de um jeito que enfraquece ainda mais minha concentração em estudar os temas. o volume de coisas a ler aumenta exponencialmente enquanto o tempo livre diminui exponencialmente e a concentração diminui exponencialmente também.

até que
nos últimos dias
aparentemente a concentração melhorou um pouco. estou forçando a barra com música clássica, "música para estudar", "música de meditação", e um esforço psicológico sobrenatural de "você tem que sentar e estudar por horas porque é sua obrigação moral e cívica e ocupacional e o que você quer há tanto tempo pra sua vida mas segue ignorando".
já se vão três meses de doutorado e progresso quase nulo de compreensão sobre as obras, a teoria, a literatura brasileira.
tudo ainda muito solto e desencontrado de minha parte,
o aspecto emocional não aperta o cadarço, só faz afrouxar,
mas pelo menos agora estou mais preocupada e isso pode, sim, ser bom. ser o começo da vergonha na cara.

Nenhum comentário: