quinta-feira, 11 de maio de 2017

hojes

pelo menos consegui voltar a tocar o pouco que toco de violão.
acho que vou imprimir novas cifras e tentar seguir sem as aulas. (cancelei as aulas quando achei que tava no início do novo ciclo).

também marquei de cortar o cabelo e passei a me prometer com certa veemência que vou marcar o dermatologista essa semana. amanhã é o último dia dessa semana.


os correios seguem em greve mas hoje chegou o segundo do livro da trilogia que vou estudar na tese. parece que esse veio todo ok, sem páginas faltando. "o pardal é um pássaro azul", de heloneida studart. teve problemas com a censura mas não consta na lista de romances censurados durante a ditadura. (só romances escritos por homens foram censurados durante a ditadura. "as meninas", de lygia fagundes telles, com cenas punk de tortura, por exemplo, não foi censurado. esse "o torturador em romaria", da própria heloneida, que ainda tô lendo - o que veio com páginas faltando - tinha muito pra ser censurado também, mas não. por que será.)


hoje não teve estágio com os adolescentes lá no creas, por causa da revolta do busão.
eu já tinha selecionado uns trechos de cidade de deus pra levar; vou ler mais do livro pra selecionar mais coisa. queria levar o livro todo, na real, ler tudo com eles, ao longo de semanas. parece enfadonho mas acho que seria bom :)


hoje ouvi algumas vezes um 'tá tudo bem?', 'o que você tem?' e mais.
foi/tá sendo uma semana pesada. que ainda bem que, como toda semana, termina com psicoterapia na sexta.
a ansiedade já virou angústia e o humor deprimido já virou prostração. gastei horas da semana em cima da cama, sem fazer absolutamente nada. é preocupante mas não consigo fazer nada além disso - ver o tempo.

ver e esperar o tempo.

espero que ele venha com dias melhores. e só.

Nenhum comentário: