quarta-feira, 28 de junho de 2017

novo de hilda

uma pesquisadora da ufms encontrou um poema até então desconhecido de hilda hilst, 


e o poema diz:

Fracassamos. Seremos os eterno fracassados.
Mas daqui a sete mil anos
abriremos as portas de todos
os claustros e lá nos encerraremos.
Seremos então os primeiros enclausurados
puros,
brancos,
mãos brancas, rosto branco
BRANCO - Ausência de amor.
Não haverá sinos em nossos campanários
(nem sinos, NEM AMOR)
qualquer luz em nossas celas
iluminará somente os livros
de quotidiana meditação.
Fomos improdutivos. Fomos estéreis.
Naufragamos no mar da compreensão.
Prostituímos ternamente as cousas
que só nós entenderíamos.
E nos tornamos eternos fracassados...
Não haverá sinos em nosso campanários
(nem sinos, NEM AMOR)

Nenhum comentário: